MAIO AMARELO – Comitê Municipal de Mobilização pela Saúde, Segurança e Paz no Trânsito realiza ações para redução de acidentes

Por Roberta Penha

Comitê Municipal de Mobilização pela Saúde, Segurança e Paz no Trânsito realiza ações para redução de acidentes.

Uma das principais causas de morte e lesões na população são os acidentes de trânsito. Eles são considerados um dos maiores desafios da sociedade, devido aos altos custos econômicos, sociais e familiares que as vítimas geram. De acordo com estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil ocupa a quinta posição no mundo em mortalidade por acidentes de trânsito, com tendência crescente.

Com o objetivo de reduzir as mortes e lesões no trânsito, em 2010 foi implantado no Brasil o Programa Vida no Trânsito (PVT), coordenado pelo Ministério da Saúde em cooperação técnica com a Organização Pan Americana de Saúde (OPAS). Ele foi criado para ser um instrumento de enfrentamento à violência no trânsito, dentro das metas da Década Mundial de Ações para Segurança no Trânsito 2011 – 2020.

Em Cuiabá o Programa Vida no Trânsito foi implantado em 2013 pela Secretaria Municipal de Saúde. A Vigilância em Saúde é o órgão responsável pelo Programa, e quem coordena as ações é a Gerência de Doenças e Agravos não Transmissíveis da Diretoria de Vigilância em Saúde.

Apenas em 2017, mais de 5.600 pessoas foram atendidas no Pronto Socorro Municipal vítimas de acidentes de trânsito, e destas, cerca de 2.300 precisaram ficar internadas para se recuperar, 78 não resistiram aos ferimentos e foram a óbito. Os dados também mostram que mais de 80% dos acidentes em Cuiabá acontecem com pessoas do sexo masculino. Os fatores que mais contribuíram para estes acidentes foram álcool e velocidade excessiva.

Visando reduzir esses impactos, o prefeito Emanuel Pinheiro criou pelo Decreto 6.268, de 12 de maio de 2017 o Comitê Municipal de Mobilização pela Saúde, Segurança e Paz no Trânsito (CMSPT). O grupo de trabalho é composto por representantes das Secretarias Municipais de Saúde, Mobilidade Urbana e de Educação, entre outros parceiros e foi criado para realizar ações estratégicas para melhorar a segurança, promover a saúde, e diminuir os acidentes de trânsito.

Dentre as deliberações do grupo, foi definido o plano de trabalho para 2018, que engloba desde blitzes, intervenções no trânsito a workshops para a conscientização da população sobre a temática. O diretor da Vigilância em Saúde, Oscar Benedito de Campos explica que a missão do Comitê é proporcionar políticas de prevenção de lesões e mortes no trânsito por meio da qualificação, planejamento, monitoramento, acompanhamento e avaliação das ações. “O triste índice de acidentes na Capital reflete diretamente na superlotação das unidades de saúde, especialmente no Pronto Socorro. E isso é um dos sérios problemas que visamos evitar”, frisa o coordenador.

 

A Gerência de Doenças e Agravos Não Transmissíveis reuniu as informações sobre as ações realizadas em 2017 e preparou o Boletim Epidemiológico da Vigilância dos Acidentes de Trânsito relativo ao período de 2014 a 2017. De acordo com Oscar, as informações contidas no boletim são essenciais para que os órgãos responsáveis pelo ordenamento do trânsito possam planejar suas ações. “A integração das informações é fundamental para que, a partir da determinação da causa desses acidentes, possamos amparar os gestores em relação às decisões e intervenções nas áreas do planejamento, gestão, vigilância e assistência, nos diferentes setores envolvidos, visando um trânsito mais humanizado e seguro para pedestres e motoristas”, diz Oscar.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *