CIFOESCOLIOSE: você já observou seu filho?

Parte Final

Por Anamaria Moreira Pinho

TRATAMENTO DA CIFOESCOLIOSE

            Dependendo do ângulo, tanto da cifose quanto da escoliose, o tratamento pode ser classificado em:

– conservador

– cirúrgico

TRATAMENTO CONSERVADOR

Este tipo de tratamento é indicado para as curvaturas menores que 40° (escoliose) e 80° (cifose), e consiste no acompanhamento com o ortopedista, fisioterapeuta e o uso de coletes ortopédicos.  O ortopedista irá indicar o melhor tipo de colete para cada caso, tomando como base a localização da curvatura da escoliose, a flexibilidade da curva cifótica, o número de curvaturas existentes na coluna vertebral, a posição e a rotação de algumas vértebras, assim como as condições clínicas de cada paciente.

Quando ainda há possibilidade de crescimento ósseo (crianças e adolescentes), o colete ortopédico e atividades físicas (principalmente a natação) são recomendados,  tornam-se a melhor opção de tratamento. Os pacientes sevem usar os coletes por no mínimo 22 horas/dia, assim como até se atingir a correção desejada (normalmente até o final do crescimento ósseo, por volta dos 17- 18 anos de idade ). Devem ser ajustador regularmente para que se possa obter o máximo de correção. Vale destacar que os coletes são personalizados, confeccionados através de um molde de gesso de cada paciente. ( figura 1)

Fig. 1 – moldando, em gesso,  colete de Milwaukee

Fonte: arquivo pessoal

TIPOS DE COLETES ORTOPÉDICOS

Como mencionado acima, para cada tipo de deformidade da coluna vertebral, existe um tipo adequado de colete ortopédico, sendo que os mais comumente utilizados são:

Colete de MILWAUKEE: é indicado para o caso de cifoses e escolioses altas (altura das vértebras torácicas). Permite através do uso de almofadas corrigir as deformidades da coluna vertebral, fornecendo estabilidade da mesma, bloqueando a progressão das alterações posturais.  É indicado para escolioses de 20° a 40° e cifoses de 40° a 70°. Encontramos algumas vezes a denominação de colete OCTLS (ÓRTESE CERVICO-TORACO-LOMBOSACRA) onde incluímos o colete de Milwaukee ( Figura 2 e 3)

Fig.2- adolescente com Doença de Scheueumann ( cifose juvenil ). Na primeira foto, sem colete. Na segunda encontramos a coluna retificada com o uso do Colete de Milwaukee

Fonte: https://www.srs.org/portuguese/patient_and_family/kyphosis/developmental_kyphosis/nonsurgical_management.htm

Fig. 3 – Colete de Milwaukee

Fonte: http://orthodynamic.com.br/orteses/

Colete de BOSTON: é utilizado para estabilizar a coluna vertebral, além de corrigir e manter a compressão contra a rotação da coluna vertebral. É indicada em  curvatura escoliótica  de níveis baixos, ou seja baixo da 7ª vértebra torácica, incluindo as vértebras lombares. Assim como o Milwaukee, a denominação de OTLS ( ÓRTESE TÓRACO LOMBO-SACRA), é utilizada também para o colete de Boston. ( Figura 4)

Fig. 4 – Colete de Boston

Fonte: https://slideplayer.com.br/slide/7510301/

Outros tipos de coletes menos comuns também podem ser encontrados:

OLS ( ÓRTESE LOMBO SACRA ) – é o caso do Colete de Putty utilizado para estabilização em casos de doenças/compressões do nervo ciático.

OTL ( ÓRTESE TORACO LOMBAR) – é um tipo de colete que permite que o paciente force a posição em lordose.

Como estes dois últimos não são utilizados em correção de deformidades da coluna vertebral aqui caracterizadas, não entraremos em detalhes.

TRATAMENTO CIRÚRGICO

Tanto a escoliose quanto a cifose quando apresentam angulação elevada (escoliose acima de 50° e cifose acima de 80°), a indicação é cirúrgica. ( Figura 5 e 6 )

Fig. 5 – pré e pós-operatório de correção de escoliose

Fonte: https://www.srs.org/portuguese/patient_and_family/FAQs/surgical_treatment_for_scoliosis.htm

Fig. 6 – pré e pós-operatório de correção de Doença de Scheuermann ( cifose juvenil)

Fonte: http://www.criancaesaude.com.br/ortopedia-pediatrica/drmrangel/a-postura-da-coluna-da-crianca/

A cirurgia é chamada de ARTRODESE e consiste na colocação de parafusos e hastes metálicas (aço cirúrgico ou titânio) de modo a estabilizar e retificar a coluna vertebral.  O resultado obtido com o tratamento cirúrgico é excelente, mas tem que ser muito bem avaliado e realizado única e exclusivamente pelo especialista em coluna vertebral (ortopedista ou neurocirurgião) em virtude aos riscos inerentes. A duração do procedimento fica em torno de 06 a 08 horas, dependendo da técnica cirúrgica utilizada, número de vértebras à serem retificadas, condições clínicas do paciente e possíveis intercorrências cirúrgica-anestésicas.

A recuperação total do paciente leva em torno de 4 a 6 meses, dependendo das condições clínicas prévias, assim como o número de vértebras retificadas (quanto maior o número de vértebras maior será a quantidade de parafusos e o tamanho da haste, podendo prolonga o tempo de recuperação).

Devemos lembrar que o diagnóstico precoce é a melhor forma de se evitar o procedimento cirúrgico e suas possíveis complicações, uma vez que nenhum procedimento está isento de intercorrências.  O diagnóstico precoce, acompanhamento médico, fisioterápico e do ortesista, assim como a realização de atividade física muito bem direcionada e acompanhada, juntamente com a utilização consciente do colete ortopédico, são a mola mestra para o sucesso do tratamento conservador e se evitar uma cirurgia.

Como a maior incidência são de adolescentes, a participação dos pais e da escola são fatores primordiais para a aceitação do colete por parte do adolescente. Entretanto nem sempre conseguimos este apoio. Nestes casos faz-se necessário do acompanhamento psicológico para que o adolescente não se sinta um verdadeiro extraterrestre. Grupos de apoio, com trocas de vivências se espalham a cada dia nas redes sociais, como o exemplo dos ENCOLETADOS, no Facebook. Faça parte do nosso grupo. Serás muito bem vindo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *