AGOSTO DOURADO – MÊS DO ALEITAMENTO MATERNO

A partir de 2017 o Congresso Nacional sancionou uma lei que estipula que agosto deve ser considerado o mês do aleitamento materno.

Para a Organização Mundial da Saúde, o leite materno é classificado como o alimento de ouro para a saúde das crianças.

O aleitamento materno é o alimento mais completo para o bebê. Isso significa que até os seis meses o bebê não precisa de nenhum outro alimento. Depois dos seis meses, a amamentação deve ser complementada com outros alimentos, sendo avaliado pelo pediatra o desenvolvimento e crescimento do bebê. No leite materno são encontradas vitaminas, minerais, gorduras, açúcares e proteínas, estas substâncias nutritivas e de defesa, não são encontradas em leites artificiais. Vale ressaltar que as crianças amamentadas podem apresentar um crescimento diferente de outras crianças que foram amamentadas artificialmente.

Composição do leite materno:

 

  1. Colostro:

O primeiro sete dias o leite que você oferecerá o mais precoce possível é o colostro, rico em proteínas, o qual ajudará a formar os anticorpos para reforçar as defesas do seu bebê, sua coloração espessa e de cor clara ou amarelada. O volume, no início, varia de 2 ml a 20 ml em cada mamada, totalizando 50 ml a 100 ml/dia, sendo suficiente para satisfazer as necessidades do recém-nascido.

  1. Leite de transição

O leite humano produzido entre o 7º e 15º dia após o parto. O volume de leite e a composição variam no decorrer dos dias, permanecendo com um volume médio de 500 ml/dia.

  1. Leite maduro

É o leite produzido a partir do 15º dia. Seu volume é de 700 ml a 900 ml/dia, durante os primeiros seis meses. Sendo que o leite “maduro” é o leite que contém tudo o que o seu bebê necessita para seu desenvolvimento.

 

Como fazer com as dificuldades?

 

As dificuldades no amamentar existem sim, devido aos inúmeros fatores que assustam muitas mães de primeira viagem (e segunda, e terceira…), podem ser solucionadas através de informações que conscientizem sobre o aleitamento materno, o ideal seria durante o pré-natal. Segundo a Enfermeira especialista em neonatologia Soraia.

As  principais complicações encontradas durante a lactação têm sua origem no esvaziamento inadequado da mama, causado principalmente por má técnica de amamentação, mamadas pouco frequentes e em horários pré-determinados e uso de chupetas e complementos alimentares.

As complicações com as mamas mais recorrentes são:

  1. Fissuras na mama: ocorre devido à pega incorreta. O bico fica rachado ou esfolado, provoca dor e dificulta a amamentação.
  2. Ingurgitamento Mamário: O seio ingurgitado (empedrado) é doloroso, está inchada, a pele é brilhosa, pode estar vermelho, o leite não flui espontaneamente e pode ter febre, havendo a necessidade da ajuda de um profissional especializado.
  3. Mastite: A mastite é um processo inflamatório que resulta de bloqueio de alguns ducto e estase do leite. A mãe pode ter dor severa. Parte do seio está duro e inchado e com a pele avermelhada. Entre as causas estão: drenagem insuficiente (sucção não efetiva, mamadas muito espaçadas); traumas das mamas devido a tecidos lesados; fissuras de mamilo devido à pega incorreta que permitem a entrada de microrganismos.
  4. Baixa produção de leite: investigar se amamentação está sendo efetiva, ou seja, se a criança está posicionada corretamente e se a mesma apresenta uma boa pega. Sugere-se que, aumente a frequência das mamadas, ofereça as duas mamas em cada mamada, alterne o seio várias vezes na mesma mamada e evite mamadeiras, chupetas e protetores de mamilo, como BICO DE SILICONE. Garantir uma dieta balanceada, boa ingestão hídrica e repouso são medidas que também ajudam.

Enfim, para todas essas complicações é necessário um apoio emocional à nutriz, uma vez que a amamentação está intimamente ligada a fatores psicossociais, recorre ajuda de profissionais de SAÚDE ESPECIALIZADO para identificar os pontos negativos, reabilitar, corrigir a pega posicionando o bebê sugar com sucesso!! A consultora irá promover e apoiar o aleitamento materno fornecendo informações precisas e apropriadas sobre a condução da lactação. Nós na Imune Vita estamos preparadas pra atendê-las e ajudar a amamentar com segurança.  Ressalta a Enfermeira Soraia.

 

É a frequência das mamadas e a correte pega quem garantem níveis elevados de prolactina (homônimo responsável pela produção do leite) e da ocitocina (hormônio que regula a ejeção do leite – “descida do leite”).

Com isso, é importante manter a produção de leite adequada e garantido que a amamentação seja uma fonte de nutrição prazerosa para mãe, não podemos esquecer-nos do apoio da família.

Reforça a Enfermeira Soraia.

O nervosismo e o medo de não ter leite dificultam a produção e a saída do leite, enquanto a calma e a confiança favorecem a amamentação.

 

Vantagens do aleitamento materno

 

 Para o bebê:

  • Fornece anticorpos, evitando infecções e alergias;
  • Tem fácil digestão;
  • Desenvolve e fortalece a musculatura do bebê.

 

Para a mãe:

  • Reduz o sangramento após o parto e as chances de desenvolver anemia;
  • Ajuda a recuperar o peso anterior à gravidez mais rapidamente;
  • Diminui a ocorrência de diabetes e câncer de mama, ovário e útero;

 

Sugar no peito é o que estimula a produção de leite, não dê ao seu filho chás, agua, sucos ou outro leite, nos primeiros seis meses de vida.

Começar a mamar desde a sala de parto facilita a decida mais rápida do leite. Procure manter o bebê ao seu lado, do nascimento até a alta, se for possível.

2 thoughts on “AGOSTO DOURADO – MÊS DO ALEITAMENTO MATERNO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *